Ficção científica retrofuturista e fantasismo brasileiro

Variantní název
Retrofuristic science fiction and Brazilian fantasism
Zdrojový dokument: Études romanes de Brno. 2019, roč. 40, č. 2, s. 101-119
Rozsah
101-119
  • ISSN
    1803-7399 (print)
    2336-4416 (online)
Type: Článek
Jazyk
portugalsky
Abstrakt(y)
O artigo pretende traçar os caminhos da ficção científica retrofuturista na literatura brasileira desde as primeiras recepções da obra de Jules Verne no Brasil até as experiências contemporâneas em subgêneros como a ucronia, o steampunk, e o crossover, que estão ajudando a fomentar intenso debate nas universidades, com a formação de grupos de estudo em todo o Brasil, além de refletir sobre modernos conceitos de literatura fantástica brasileira, que vem sendo propostos por escritores e acadêmicos e que deveriam estar na ordem do dia dos debates sobre o assunto, para que a literatura fantástica brasileira saia finalmente do gueto em que sempre esteve confinada, e possa ocupar o lugar de direito entre as produções literárias contemporâneas.
The article intends to trace the paths of retrofuturist science fiction in Brazilian literature from the first receptions of Jules Verne's work in Brazil to contemporary experiences in subgenres such as uchronia, steampunk, and crossover, which are helping to foment intense debate in universities, with the formation of study groups throughout Brazil, as well as reflecting on modern concepts of Brazilian fantastic literature, which have been proposed by writers and scholars and should be on the agenda of the debates on the subject, so that literature fantastic Brazilian finally emerge from the ghetto where it has always been confined, and can occupy the right place among contemporary literary productions.
Document
Reference:
[1] Aragão, O. (2006). A mão que cria. São Paulo: Unicórnio Azul.

[2] Bilac, O. (1916). Júlio Verne. In Ironia e piedade. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

[3] Bras, L. (2014). Mecanismos precários. In F. Fernandes, & R. Martins (Eds.), Vaporpunk: novos documentos de uma pitoresca época steampunk. São Paulo: Draco.

[4] Carvalho, J. M. de. (1994). Prefácio: Benigna Ciência. In A. E. Zaluar (Ed.), O Doutor Benignus. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

[5] Carrière, J.-C. (2003). Juventude dos mitos. In B. Bricout (Ed.), O olhar de Orfeu: os mitos literários do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras.

[6] Causo, R. de S. (2003). Ficção científica, fantasia e horror no Brasil: 1875 a 1950. Belo Horizonte: UFMG.

[7] Causo, R. de S. (2009). Ficção de gênero como degrau: a crítica de José Paulo Paes. http://noticias.terra.com.br/interna/0,,OI3724126-EI6622,00.html

[8] Celli, G. (Ed.) (2009). Steampunk: histórias de um passado extraordinário. São Paulo: Tarja.

[9] Esteves, A. R. (2008). Considerações sobre o romance histórico (no Brasil, no limiar do século XXI). Revista de Literatura, História e Memória. Cascavel, 4 (4).

[10] Flusser, V. (1998). Fenomenologia do brasileiro. Rio de Janeiro: EDUERJ.

[11] Gomes, R. C. (2006). O histórico e o urbano: sob o signo do estorvo. Revista de Literatura Comparada.

[12] Henriet, E. B. (2003). L'histoire revisitée: panorama de l'uchronie sous toutes ses formes. Amiens: Encrage.

[13] Laumer, K. (s/a). Mundo alternante. Lisboa: Livros do Brasil.

[14] Lobato, M. (1946). A onda verde e O presidente negro. São Paulo: Brasiliense.

[15] Lobato, M. (2008). Recordando. In Mundo da lua. São Paulo: Globo.

[16] Lodi-Ribeiro, G. (1999). Alternativas da Phantastica Brasiliana. http://members.tripod.com/~gerson_lodi/pb.htm

[17] Lodi-Ribeiro, G. (2006). Ensaios de História Alternativa. Scarium Ebook. Disponível em http://www.scarium.com.br/e-books/sebook3_06_03.html

[18] Lodi-Ribeiro, G. (2006). Outros Brasis. São Paulo: Unicórnio Azul.

[19] Lodi-Ribeiro, G. (Ed.) (2011). Dieselpunk, arquivos confidenciais de uma bela época. São Paulo: Draco.

[20] Lodi-Ribeiro, G; & Martinho, C. O. (Eds). (2000). Phantastica Brasiliana: 500 anos de história desses e doutros Brasis. São Caetano do Sul: Ano Luz.

[21] Martins, R. (Ed.). (2013). Retrofuturismo. São Paulo: Tarja.

[22] Matangrano, B. A. (2016). O olhar contemporâneo na releitura do moderno: A lição de anatomia do temível Dr. Louison. In Estudos de literatura brasileira contemporânea, 48.

[23] Medeiros Jr., F. (2013). Homens e monstros: a Guerra Fria Vitoriana. São Paulo: Draco.

[24] Olinto, A. (n/d). Ouvir estrelas. http://www.academia.org.br/ABL/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?from_info_index=10&infoid=1718&sid=394

[25] Oliveira, C. M. de. (2014). O romance histórico brasileiro na atualidade. Revista Vozes dos Vales, 3 (6).

[26] Paes, J. P. (1990). A aventura literária: Ensaios sobre ficção e ficções. São Paulo: Companhia das Letras.

[27] Pessotti, I. (1994). Vantagens do turismo temporal. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1994/9/11/mais!/10.html

[28] Picchia, M. (n/d). A filha do inca e Kalum. In Obras Completas, volume IV. Rio de Janeiro: Editora A Noite.

[29] Rocha, J. C. de C. (2017). Culturas Shakespearianas: teoria mimética e os desafios da mímesis em circunstâncias não hegemônicas. São Paulo: É Realizações.

[30] Rocha, J. C. de C. (2004). O exílio do homem cordial: ensaios e revisões. Rio de Janeiro: Museu da República.

[31] Silva, L. F. (Ed.). (2010). Vaporpunk: relatos steampunk publicados sob as ordens de Suas Majestades. São Paulo: Draco.

[32] Tavares, E. (2014). A lição de anatomia do temível Dr. Louison. Rio de Janeiro: Casa da Palavra.

[33] Tavares, E.; & Matangrano, B. A. (2018). Fantástico brasileiro: o insólito literário do romantismo ao fantasismo. Curitiba: Arte & Letra.

[34] Tavares, E.; Witter, N.; & Cordenonsi, A. Z. (2017). A alcova da morte. Porto Alegre: AVEC.

[35] Veiga, J. J. (1989). A casca da serpente. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

[36] Veríssimo, É. (1996). Viagem à aurora do mundo. Porto Alegre: Globo.