"Nunca é agora entre nós" : separações e ruturas em Explicação dos Pássaros, de António Lobo Antunes

Název: "Nunca é agora entre nós" : separações e ruturas em Explicação dos Pássaros, de António Lobo Antunes
Variantní název:
  • "Nunca é agora entre nós" : separations and ruptures in Explicação dos Pássaros, by António Lobo Antunes
Zdrojový dokument: Études romanes de Brno. 2020, roč. 41, č. 1, s. 235-247
Rozsah
235-247
  • ISSN
    1803-7399 (print)
    2336-4416 (online)
Type: Článek
Jazyk
 

Upozornění: Tyto citace jsou generovány automaticky. Nemusí být zcela správně podle citačních pravidel.

Abstrakt(y)
Este artigo tem como objetivo explorar as diferentes dimensões do conceito de separação e rutura no romance Explicação dos Pássaros, de António Lobo Antunes. Este romance, em particular, pode ser considerado um desenvolvimento importante dentro da obra do escritor, pois marca um afastamento de sua produção literária anterior. Além disso, para lá do seu significado literário, o romance levanta também o véu do contexto histórico e sociológico do Portugal pós-revolução, com os seus conflitos e paradoxos. É abordando a maneira como o autor articula os diferentes modos de separação e conflito que o leitor pode penetrar no romance, tornando-se um participante ativo, objetivo do projeto literário Antuniano. Assim, este artigo procura dissecar as diferentes maneiras pelas quais a separação funciona como uma metáfora para o trabalho mais amplo do autor e ao mesmo tempo como uma janela para os problemas de Portugal contemporâneo.
This article aims to explore the different dimensions of the concept of separation and rupture in the novel Explicação dos Pássaros by António Lobo Antunes. This particular novel can be considered as an important development within the oeuvre of the writer as it marks a departure from his previous literary output. Moreover, besides it's literary significance, the novel also lifts the veil on the historical and sociological world of Post-Revolution Portugal, with its conflicts and paradoxes. It is by tackling the way in which the author articulates the different modes of separation and conflict that the reader can penetrate the novel, becoming an active participant, which is the aim of the Antunian literary project. Thus, this article endeavours to dissect the different ways in which separation functions as a metaphor for the wider work of the author and at the same time as a window into the problems of contemporary Portugal.