Germano Almeida, a ficcionalização do tempo da infância

Variant title
Germano Almeida, the fictionalization of childhood
Source document: Études romanes de Brno. 2018, vol. 39, iss. 1, pp. 35-45
Extent
35-45
  • ISSN
    1803-7399 (print)
    2336-4416 (online)
Type: Article
Language
Portuguese
License: Not specified license
Abstract(s)
Se a obra é independente do autor, o romance não se dissocia de um tempo histórico em que é escrito. Germano Almeida, escritor cabo-verdiano, assume que a sua escrita é inspirada em factos reais que posteriormente ficciona. Na obra, o escritor recupera, através das suas vivências, estórias de Cabo Verde. Centrar-nos-emos em Regresso ao paraíso, o seu romance de 2015. Aí, o acesso ao tempo da infância, decorrida na ilha da Boa Vista, dá-se através da memória. Este recuo ao passado possibilita a reconstrução histórica, ainda que ficcionada, de uma ilha, parecendo viver à margem do jugo colonialista.
If a literary work is independent from its author, the novel is not dissociated from a historical time in which it is written. Germano Almeida, Cape Verdean writer, assumes that his writing is inspired by fictionalized real facts. In his work, the writer recovers Cape Verde stories, through his experiences. We will focus on Regresso ao paraíso, his novel from 2015. Here, the childhood memory, of the island of Boa Vista, constructs the reality. This return to the past allows a historical reconstruction, although fictionalized, of an island apparently living on the edge of the colonial yoke.
Document
References:
[1] Almeida, G. (2006). Estória para a boquinha da noite; A água e o ritual do namoro; O nascimento na era da civilização e progresso. In F. Fontes (Org.), Tchuba na desert — antologia do conto inédito caboverdiano (pp. 25–42) Coimbra: Saúde em Português.

[2] Almeida, G. (2007). O testamento do Sr. Napumoceno da Silva Araújo. Lisboa: Caminho.

[3] Almeida, G. (2015). Regresso ao paraíso. Lisboa: Caminho.

[4] Benjamin, W. (1994). Magia e Técnica, Arte e Política: Ensaios sobre Literatura e História da Cultura. São Paulo: Brasiliense.

[5] Candau, J. (2012). Memória e identidade. São Paulo: Contexto.

[6] Le Goff, J. (1990). História e Memória. São Paulo: Unicamp.

[7] Leenhrdt, J. (1996). La littérature: une entrée dans l'histoire. Littérature/Histoire, regards croisés, 20, 15–25.

[8] Leite, A. M. (1988). Oralidades e escritas nas literaturas africanas. Lisboa: Edições Colibfonte.

[9] Nora, P. (1993). Entre Memória e História: A problemática dos lugares. Projeto História, 10, 7–28.

[10] Pereira, M. (2016). Não vou à ilha da Boa Vista, o meu paraíso, há quase 20 anos, não preciso. DN (03/fevereiro/2016). http://www.dn.pt/artes/interior/nao-vou-a-ilha-da-boa-vista-o-meu-paraiso-ha-quase-20-anos-nao-preciso-5011952.html

[11] Silva, V. M. A. E (1997). Teoria da Literatura. Coimbra: Livraria Almedina.

[12] Tedesco, J. C. (2011). Passado e presente em interfaces: introdução a uma análise sócio-histórica da memória. Passo Fundo: EDUPF.