Manifestação da feminização linguística nos textos jornalísticos em português de Moçambique

Variant title
Language feminization of newspaper texts in Mozambican Portuguese
Source document: Études romanes de Brno. 2020, vol. 41, iss. 2, pp. 295-314
Extent
295-314
  • ISSN
    1803-7399 (print)
    2336-4416 (online)
Type: Article
Language
Portuguese
Abstract(s)
O texto dedicar-se-á à problemática sociolinguística da feminização da língua portuguesa em Moçambique. Primeiro, esclarecerá qual é a posição do português em Moçambique e qual é, do ponto de vista social, a posição da mulher na sociedade moçambicana. A seguir, abordará a problemática do género como uma categoria gramatical e do fenómeno da feminização linguística como um fenómeno tanto lexical como sociolinguístico, explicando como a feminização da língua, ou seja, a maior visibilidade do sexo feminino nela, serve não só para refletir mas também para influenciar a evolução social. Depois, na base dum corpus de textos jornalísticos, tentará verificar se em português moçambicano podemos notar alguma tendência para feminizar a língua, chegando à conclusão que, perante esta problemática, para já o português moçambicano apresenta caráter antes conservador.
The text is dedicated to the sociolinguistic problem of the feminization of the Portuguese language in Mozambique. First, it will clarify the position of Portuguese in Mozambique and state what, from a social point of view, is the position of women in Mozambican society. Next, it will deal with the topic of gender as a grammatical category and the phenomenon of linguistic feminization as both a lexical and sociolinguistic issue, explaining how the feminization of language, that is, the greater visibility of the female sex in it, serves not only to reflect but also to influence social evolution. Then, based on a corpus of journalistic texts, it will try to show whether in Mozambican Portuguese we can notice any tendency to feminize the language, coming to the conclusion that, with regard to this topic, for now Mozambican Portuguese has a rather conservative character.
Note
  • O artigo foi escrito graças ao apoio do Ministério da Educação da República Checa dado à Universidade Palacký em Olomouc (IGA_FF_2020_023).
Document
References:
[1] Andrade, X.; Osório, C.; & Trindade, J. C. (2001). Four issues: Women Human Rights. Maputo: WLSMOÇ.

[2] Bueno, A. L. D. A produção do sexismo na linguagem: gênero e poder em dicionários da língua portuguesa. Disponível em http://www.sies.uem.br/trabalhos/2015/674.pdf (acessado em 15 de fevereiro 2020).

[3] Cunha, C.; & Cintra, L. F. L. (1999). Nova Gramática do Português Contemporâneo. Lisboa: Edições João Sá da Costa.

[4] Firmino, G. (2005). A «Questão Linguística» na África pós-colonial. O caso do Português e das Línguas Autóctones em Moçambique. Maputo: Textos Editores.

[5] Garcia, D. A. (2018). Sexismo linguístico e o processo de manualização: A presença do feminino e da mulher na língua. Fragmentum, n. Especial Jul/Dez., 141–159. | DOI 10.5902/2179219436587

[6] Gonçalves, P. (1998). Mudanças em Português em Moçambique. Maputo: Livraria Universitária.

[7] Gouveia, M. C. F. (2007). Ainda o género gramatical dos substantivos e adjetivos em Portugal e no Brasil. Biblos. Revista da Faculdade de Letras, V (2. série), 263–276.

[8] Gouveia, M. C. F. (1999). A propósito do masculino genérico em português. Actas do XIV Encontro da Associação Portuguesa de Linguística, II, 21–28.

[9] Gouveia, M. C. F. (2005). Para uma descrição do género em português. Biblos. Revista da Faculdade de Letras, III (2. série), 201–246.

[10] Karberg, S. (2015). Participação Política das Mulheres e a sua influência para uma maior capacitação da Mulher em Moçambique. Maputo: Ciedima.

[11] Klíma, J. (2007). Mosambik. Praha: Libri.

[12] Larivière, L.-L. (2000). Comment en finir avec la féminisation linguistique ou le mots pour LA dire. Paris: Éditions 00h00.

[13] Lledó i Cunill, E. (2013). Cambio lingüístico y prensa: problemas, recursos y perspectivas. Barcelona: Laertes.

[14] Lopes, A. J. (1997). Política Linguística: princípios e problemas. Maputo: Livraria Universitária.

[15] Lopes, A. J. (2004). The Language Situation in Mozambique. In R. Baldauf (ed.), Language Planning and Policy in Africa – Botswana, Malawi, Mozambik and South Africa (Vol. 1) (pp. 150–196). Clevedon: Multilingual Matters.

[16] Marcato, G.; & Thüne, E.-M. (2002). Gender and Female Visibility in Italian. In M. Hellinger, & H. Busmann (Eds.), Gender Across Languages (vol. 2) (pp. 188 - 217). Amsterdam: John Benjamins Publishing Company.

[17] Pleško, M. (2015). Les femmes, le français et la francophonie. Olomouc: Universita Palackého.

[18] Santos, N. R. (2017). A situação do português e o ensino de línguas em Moçambique. Alcance Editores: Maputo. Webgrafia

[19] Almeida, E.; & Fernandes G. Paradoxo da mulher em Moçambique. https://operamundi.uol.com.br/politica-e-economia/5663/politica-x-sociedade-o-paradoxo-da-mulher-em-mocambique (acessado em 15 de agosto 2019).

[20] Constituição da República Moçambicana. https://www.portaldogoverno.gov.mz/por/Media/Files/Constituicao-da-Republica-PDF (acessado em 6 de fevereiro 2020).

[21] Gonçalves, D. S. Por uma língua feminista: uma breve reflexão sobre o sexismo linguístico. http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/ricultsociedade/article/view/9317 (acessado em 15 de fevereiro 2020).

[22] Guerra, L. H. B. Políticas e programas para igualdade de gênero em Moçambique. http://www.fg2013.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/20/1386686572_ARQUIVO_LuciaHelenaGuerra.pdf (acessado em 15 de fevereiro 2020).

[23] Mader, G. R. C.; & Severo, C. G. Sexismo e políticas linguísticas de gênero. https://www.researchgate.net/publication/305811674_Sexismo_e_politicas_linguisticas_de_genero (acessado em 15 de fevereiro 2020).

[24] Mapote, W. Estudo revela que decresceu a participação política da mulher em Moçambique. https://www.voaportugues.com/a/estudo-revela-que-decresceu-a-participa%C3%A7%C3%A3o-pol%C3%ADtica-damulher-em-mo%C3%A7ambique/4965778.html (acessado em 19 de junho 2019).

[25] Mazoio, L. A Frelimo lidera participação política da mulher no país. http://opais.sapo.mz/frelimo-lidera-participacao-politica-da-mulher-no-pais (acessado em 26 de maio 2019).

[26] Moçambique já tem Academia Política da Mulher. http://www.imd.org.mz/index.php/imprensa/noticias/85-mocambique-ja-tem-academia-politica-da-mulher (acessado em 6 de fevereiro 2020).