De uma língua oral sem escrita à escrita de uma língua oral: o caso do crioulo cabo-verdiano das ilhas do barlavento e sotavento

Variant title
From an oral language without writing to the writing of an oral language: the case of Cape Verdean Creole from the islands of Barlavento and Sotavento
Author: Czopek, Natalia
Source document: Études romanes de Brno. 2016, vol. 37, iss. 1, pp. 11-26
Extent
11-26
  • ISSN
    1803-7399 (print)
    2336-4416 (online)
Type
Article
Language
Portuguese
License: Not specified license
Abstract(s)
objetivo principal do nosso trabalho é propor uma descrição dos traços ortográficos, morfossintáticos e lexicais do crioulo das ilhas do Barlavento e Sotavento, realçando os vestígios deixados pela língua portuguesa como resultado de migrações e mestiçagem entre o povo colonizado e o colonizador. O corpus de exemplos será fornecido pela coletânea de histórias Mam Bia tita Contá Estória na Criol, recolhidas pela escritora cabo-verdiana Ivone Aida como um testemunho vivo das tradições orais das ilhas de Santiago e São Nicolau. Pretendemos observar a transformação linguística que sofre o intertexto oral ao ser registado na escrita. Trata-se aqui precisamente de refletir na linguagem escrita a contaminação e a mestiçagem presentes na linguagem oral das sociedades culturalmente hibridas, criando um "amálgama" de vozes.
The main objective of our work is to propose a description of spelling, morphosyntactic and lexical features of the Creole of the Barlavento and Sotavento islands, highlighting the traces left by the Portuguese language as a result of migration and miscegenation between the colonized people and colonizers. The corpus of examples will be provided by the collection of stories Mam Bia tita Contá Estória na Criol collected by a Cape Verdean writer Ivone Aida as a living testimony of oral traditions of the islands of Santiago and São Nicolau. We intend to observe the linguistic transformation suffered by an oral message when recorded in writing and analyze the influence of the contamination and miscegenation, present in the oral tradition of culturally hybrid societies, in the written language, creating an "amalgam" of voices.
Document
References:
[1] Aida, I. (2009). Mam Bia tita Contá Estória na Criol . Mindelo: Gráfica do Mindelo.

[2] Chaves, R. (2000). O passado presente na literatura angolana . Scripta, 3, 6, 245–257.

[3] Delgado, C. A. (2009). Crioulos de base lexical portuguesa como fatores de identidades em África. O caso de Cabo Verde . Praia: Instituto da Biblioteca e do Livro.

[4] Doneux, J. (2000). A propósito do papel dos linguistas... e dos outros na determinação da escrita duma língua . In M. Veiga (org.), Colóquio Linguístico sobre o crioulo de Cabo Verde (pp. 143–155). Mindelo: INIC.

[5] Duarte, D. A. (1998). Bilinguismo ou diglossia? Praia: Spleen.

[6] Elia, S. (1966). A difusão das línguas europeias e a formação das variedades ultramarinas, em particular dos crioulos . Coimbra: FLUC.

[7] Herculano de Carvalho, J. G. (1966). Sobre a natureza dos crioulos e sua significação para a linguística geral . Coimbra: Coimbra Editora.

[8] Kamwangamalu, N. M. (2000). Languages in contact . In V. Webb & Kembo-Sure (reds.), African Voices. An introduction to the languages and linguistics of Africa (pp. 88–108). Cape Town: Oxford University Press Southern Africa.

[9] Laranjeira, P. (1995). Literaturas africanas de expressão portuguesa . Lisboa: Universidade Aberta.

[10] Leite, A. M. (1998). Oralidades & escritas nas literaturas africanas . Lisboa: Edições Colibri.

[11] Leite, A. M. (2003). Literaturas africanas e formulações pós-coloniais . Lisboa: Edições Colibri.

[12] Manana de Sousa, L. (2008). A inversão do código linguístico em Mia Couto . Babilónia, 6, 7, 127–144.

[13] Ndoleriire, O. K. (2000). Cross-cultural communication in Africa . In V. Webb & Kembo-Sure (reds.), African Voices. An introduction to the languages and linguistics of Africa (pp. 268–285). Cape Town: Oxford University Press Southern Africa.

[14] Postioma, A. da (1968). Filosofia Africana . Luanda: Seminário Arquiepiscopal.

[15] Ribeiro, O. (s.d.). Da ruralidade à cidade: a reinvenção da tradição oral na cultura angolana contemporânea. . http://iberystyka-uw.home.pl/pdf/Dialogos-Lusofonia/Coloquio_ISIiI-UW_26_RIBEIROOrquidea_Da-ruralidade-a-cidade.pdf

[16] Silva B. (1957). Dialectos portugueses do ultramar. O dialecto crioulo do Cabo Verde . Lisboa: Imprensa Nacional.

[17] Veiga, M. (1982). Diskrison strutural di lingua kabuverdianu . Praia: Institutu kabuverdianu di livru.

[18] Veiga, M. (1995). O crioulo de Cabo Verde: Introdução à gramática . Praia: Instituto Cabo-verdiano do Livro e do Disco.

[19] Webb, V., & Kembo-Sure. (2000). Language as a problem in Africa . In V. Webb, & Kembo-Sure (reds.), African Voices. An introduction to the languages and linguistics of Africa (pp. 1–25). Cape Town: Oxford University Press Southern Africa.