Busca de um diálogo intercultural : literatura indígena no Brasil

Variant title
Searching for an intercultural dialogue : indigenous literature in Brazil
Source document: Études romanes de Brno. 2022, vol. 43, iss. 2, pp. 99-114
Extent
99-114
  • ISSN
    1803-7399 (print)
    2336-4416 (online)
Type: Article
Language
Portuguese
Abstract(s)
O presente estudo foca na produção literária dos autores indígenas brasileiros, um fenômeno relativamente recente, relacionado estritamente à conquista dos direitos políticos e sociais pelos povos nativos no território do país. A questão central do artigo gira em torno de uma reflexão sobre como as obras dos autores indígenas que começaram a surgir nas prateleiras das livrarias brasileiras na década de 1990, não são alcançáveis pelo conceitos tradicionais da literatura ocidental. Para a compreensão da literatura indígena em sua complexidade e plenitude mostra-se necessário entendê-la como uma manifestação cultural mais abrangente, da qual também nós fazemos parte.
The present study focuses on the literary production of Brazilian indigenous authors, a relatively recent phenomenon, strictly related to the achievement of political and social rights by native peoples in the country's territory. The central question of the article revolves around a reflection on how the works of indigenous authors that began to appear on the shelves of Brazilian bookstores in the 1990s, are not reachable by the traditional concepts of Western literature. In order to understand indigenous literature in its complexity and fullness, it is necessary to understand it as a broader cultural manifestation, of which we are also a part.
Document
References:
[1] Casanova, P. (2002). A repú blica mundial das letras. Trad. M. Appenzeller. São Paulo: Estação Liberdade.

[2] Dorrico, J.; Danner, L. F.; Correia, H. H. S.; & Danner, F. (Orgs.) (2018). Literatura indígena brasileira contemporânea: criação, crítica e recepção. Porto Alegre: Editora Fi.

[3] Dorrico J.; Danner, F.; & Danner, L. F. (Orgs.) (2020). Literatura indígena brasileira contemporânea: autoria, autonomia, ativismo. Porto Alegre: Editora Fi.

[4] Freitas, R. B. De; & Bahia, S. J. C. (2017). Direitos dos índios na Constituição de 1988: Os princípios da autonomia e da tutela-proteção. Prim Facie, [S. l.], 16, 32, 1–42. https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/primafacie/article/view/34536. | DOI 10.22478/ufpb.1678–2593.2017v16n32.34536. https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/primafacie/article/view/34536. |

[5] Guesse, É. B. (2011). Da oralidade à escrita: os mitos e a literatura indígena. Brasil em Anais do SILEL, 2, 2.

[6] Hall, S. (1992). The Question of Cultural Identity. In D. H. Hall, & A. McGrew (Eds.), Modernity and Its Futures (pp. 274–316). Cambridge: Polity Press.

[7] Hall, S. (2006). A identidade cultural na pós-modernidade. 11a ed. Trad. T. T. da Silva, G. L. Louro. Rio de Janeiro: DP&A editora.

[8] Jecupé, K. W. (1998). A terra dos mil povos. História indígena brasileira contada por um índio. São Paulo: Petrópolis. | DOI 10.5212/uniletras.v.43.16390.2021

[9] Kopenawa, D.; & Albert, B. (2015). A queda do céu. Palavras de um xamã Yanomami. Trad. B. Perrone-Moisés. São Paulo: Companhia das Letras. | DOI 10.18224/hab.v15i1.5905

[10] Krenak, A. (2019). Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras. | DOI 10.18764/2178-2865.v24n1p302-305

[11] Mignolo, W. D. (2017). Desafios decoliniais hoje. In Epistemologias do Sul, 1, 1, 12–32.

[12] Mignolo, W. D.; & Walsh, C. E. (2018). On Decoloniality: concepts, analytics, praxis. Durham: Duke university Press.

[13] Munduruku, D. (2012). O caráter educativo do movimento indígena brasileiro (1970–1990). São Paulo: Paulinas. | DOI 10.18554/rt.v10i2.2623

[14] Munduruku, D. (2008). Literatura Indígena e o tênue fio ente escrita e oralidade. https://www.editorapeiropolis.com.br/literatura-indigena-e-o-tenue-fio-entre-escrita-e-oralidade/.

[15] Nicacio, K. M. R.; Cavalcante, G. Á.; Martins, K. C.; Barbosa, R. C. C.; Gonçalves, S. B.; & Lins, M. A. T. (2019). Saúde pública voltada para a população indígena. Cadernos De Graduação – Ciências Humanas E Sociais – UNIT – ALAGOAS, 5, 3, 75. https://periodicos.set.edu.br/fitshumanas/article/view/6883.

[16] Potiguara, E. (2018). Metade cara, metade máscara. 3ª ed. Rio de Janeiro: Grumini.

[17] Schumans, F. (2016). Introdução. Ler na fronteira. In Ler na fronteira. As literaturas africanas de língua portuguesa em perspectiva comparada. e-cadernos CES, 26.

[18] Schwarcz, L. M.; & Starling, H. M. (2018). Brasil: Uma biografia. São Paulo, Companhia das Letras.

[19] Stauffer, D. H. (1960). Origem e fundação do Serviço de Proteção aos Índios (III). Revista de História, 21, 43, 165–183. https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/120126. | DOI 10.11606/issn.2316–9141.rh.1960.120126. https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/120126. |